A Menina do Vale e a Fantástica Fábrica de Empreendedores

A menina do Vale

No dia 27 de agosto a escritora e empreendedora Bel Pesce, conhecida como a Menina do Vale, publicou um texto em seu perfil do Facebook falando sobre a polêmica acerca do financiamento coletivo da hamburgueria gourmet ‘Zebeléo’, sua mais nova proposta empreendedora em parceria com o blogueiro Zé Soares, responsável pelo blog ‘Do Pão ao Caviar’, e o vencedor do reality show ‘MasterChef Brasil’, Leonardo Young.

Em sua publicação, Bel Pesce afirmou estar decepcionada consigo por não ter feito as coisas como de costume. “Vivo minha vida em um constante malabarismo, e quando estou confortável, me desafio a fazer algo além para evoluir e aprender mais, sempre compartilhando meus aprendizados. Muitas vezes isso leva a uma necessidade de saber trabalhar no improviso, constantemente melhorando projetos a medida que aprendemos com eles.”

Tal polêmica nasceu da iniciativa de Pesce e seus sócios de optarem por arrecadar fundos para a hamburgueria Zebeléo por meio de uma campanha de crowdfunding – meio de financiamento coletivo – no site kickante, cuja proposta era arrecadar R$200 mil dentro de dois meses.

Em um curto espaço de tempo, a campanha despertou a desconfiança e a revolta dos usuários do site por se tratar de um projeto de empreendimento que pelo histórico de seus empreendedores, poderia ser financiado por capital próprio ou com o amparo de investidores.

Outro ponto que aumentou ainda mais a polêmica sobre o Zebeleo foi o fato de que o projeto não contava com informações detalhadas e uma descrição dos pontos relevantes, informações essenciais de um projeto que busca por financiamento coletivo. Tal deslize colocou em xeque toda a reputação de Bel Pesce enquanto expert sobre modelo de negócios empreendedores e como influenciadora e formadora de opinião na área corporativa.

“Às vezes nos apaixonamos tanto por um projeto que ficamos cegos por ele. Fazia meses que nos encontrávamos para desenhar detalhes de uma experiência completamente diferenciada na hamburgueria (e que erramos massivamente em não explicar em detalhes na campanha), e isso tudo estava na minha cabeça de forma tão óbvia, que ignorei pontos extremamente relevantes. Por exemplo, para quem não tinha contexto algum do negócio, o fato de um dos sócios ter recebido um prêmio na mesma semana pesava muito”, explicou Pesce.

1bel

Todo esse episódio traz à tona uma realidade proeminentemente visível da geração de um status quo e modismo em relação ao empreendedorismo, motivado pela disseminação do modelo de startups. Na eminência de se desenvolver um MVP (Minimum Viable Product, ou em português, Mínimo Produto Viável) e lançá-lo no mercado, os novos empreendedores demonstram certa fragilidade de ideias e do planejamento empresarial em detrimento de um modelo bem estruturado de negócio com uma perspectiva de retorno a médio e longo prazo.

“Acredito estarmos vivendo o empreendedorismo gourmet. Este é trazido em sua maioria pelas startups de base web ou eventos como Startup Weekend, UP global, Startup Brasil, Lab Estudar, Fundação estudar etc, e com investimentos milionários em ideias que não são nem protótipos ou conceitos formados, tão pouco modelos de negócio que se sustentem. Vai além do pivotar! A juventude está empreendendo porque é cool. A democratização da internet e a facilidade em se jogar um app ou site no mercado contribuem com esse empreendedorismo mal fundamentado, quase noob e amador. E nesse ecossistema, as boas ideias morrem em modelos mal executados ou mal testados”, comenta Guilherme Ziegler na plataforma de publicação de blog Medium, em referência ao episódio polêmico envolvendo Bel Pesce.

É nesse contexto que a Menina no Vale se destaca como a porta voz dos empreendedores emergenciais, vendendo os encantos e conceitos da Fantástica Fábrica de Empreendedores. Trata-se de um ambiente em que o empreendedorismo pode sanar todos os seus problemas e anseios, evidenciando a sua imagem, seu status e as suas realizações. Um mundo que destaca o idealizador, mas desconhece os seus feitos. A geração de valor é tão efêmera e dissonante que em alguns casos se torna até irrelevante.

Brunna Paese, desenvolvedora de negócios com foco em inovação e sustentabilidade, traça um perfil menos fantasioso da Manina do Vale. “Bel Pesce fez seu nome por ter estudado no MIT, trabalhado no Google e Microsoft e ter ajudado a construir uma empresa, a Lemon no Vale do Silício. Brilhante né?! Seria, se o trabalho no Google e na Microsoft não fossem um estágio de 3 meses de verão, se ela fosse co-founderda empresa citada ou alguma coisa mais efetiva por lá […] A Bel vende e sempre vendeu o produto que ela construiu chamado ‘Bel Pesce’, todas as suas empresas são para fomentar esse mesmo produto. E ela faz isso de forma magistral.”

Não há como prever se essa onda de empreendedorismo gourmet vai durar muito tempo e se a Fantástica Fábrica de Empreendedores vai continuar encantando pessoas por muito tempo. Mas apostando nas mesmas engrenagens que tem impulsionado o mundo corporativo há décadas, pode-se afirmar que o mercado de autoajuda empresarial e da fantasia empreendedora vai continuar se baseando em cases de pouca relevância e muito alarde.

Fontes:

https://medium.com/@guilhermezieglertrintinalia/achei-muito-interessante-a-s%C3%ADntese-sobre-o-efeito-bel-pesce-33a9e5b4434a#.2i49eqf66

http://www.brasilpost.com.br/brunna-paese/licao-bel-pesce_b_11765776.html?ncid=fcbklnkbrhpmg00000004

http://www.brasilpost.com.br/2016/08/26/financiamento-coletivo-zebeleo-cancelado_n_11718658.html

 

Faça seu comentário